segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Sou tua ainda...


De alma e corpo fui tua pelas horas
Dos anos...Já esqueceste ou nada importa?
Sabendo eu bem que as minhas dores não choras,
O teu rodar da chave ouço na porta...

Sou tua ainda, que em meu peito moras,
E vejo os olhos teus, lascivos, vindo
Olhar-me o corpo, que em beijos devoras,
Enquanto a minha flor se vai abrindo...

Chegada a hora de me ir deitar,
Espero-te. Não vens. E,ao acordar,
Afagos de amor lembro que não digo...

Se não puder esquecer-te, fico louca.
Porque a fome que vem à minha boca
Não é de pão...,mas a calar me obrigo!


In Poesia que a mágoa tece - 2007

Foto: Paula Raposo

15 comentários:

Paula Raposo disse...

Uma doce sensualidade, Francília! Beijinhos.

jorge vicente disse...

é o pão da Poesia a jorrar aqui. Parabéns!!!

Um abraço
Jorge Vicente

Fa menor disse...

Cheguei pela mão da Paula Raposo...
e, sim, a poesia também mora aqui!

Boa sorte por estes campos.

Bejos

Isa disse...

Cheguei até aqui pela mão da Paula.
E...ainda bem.
Pelo que li,virei mais vezes.
Beijo.
isa.

Eduardo Aleixo disse...

Gostei dos seus poemas.
A Paulinha, como fotógrafa, é melhor não elogiar, porque... se envaidece...
Parabens ao seu blogue e muitas felicidaddes.
Virei visitá-la, com muito gosto.

peciscas disse...

Também vim pela mão amiga da Paula e gostei do que vi aqui.
Poesia sentida e intimista. Muito bem decorada pela arte fotográfica da mossa Paula.

© Piedade Araújo Sol disse...

soneto intimista e sensual.

gostei!

as fotos da Paula foram beme escolhidas.

um beij

Tentativas Poemáticas disse...

À minha querida amiga Paula agradeço ter-me trazido até aqui.
A si entrego-lhe imaginariamente um grande ramo de flores com a legenda colorida: PARABÉNS POETISA.
Beijinho com ternura.
António

FERNANDA & POEMAS disse...

OLÁ AMIGA, PELA MÃO DA MINHA QUERIDA PAULINHA,CHEGUEI AQUI... SÕ POSSO AGRADECER ÁS DUAS... O SONETO É O MEU ESTILO PREFERIDO...!
ADOREI O TEU E A FOTO TAMBÉM ESTÁ BELÍSSIMA... ABRAÇOS DE CARINHO E MUITA SORTE... PARABÉNS!!!

FERNANDINHA

Pedro Arunca disse...

Dá-me licença?
Foi a Paulinha que me deu a morada e vim dar a um blog fresquinho e tão promissor. Aqui mora a poesia.
Obrigado, conto cá voltar.

Parabéns.

PA

Nilson Barcelli disse...

Eu não queria, mas a Paula obrigou-me a vir aqui...
E ainda bem, porque encontrei boa poesia. Li tudo... e gostei do teu ritmo poético, da sonoridade, da métrica e da rima irrepreensíveis.
Boa sorte para o teu blogue.
Beijos.

Maria Clarinda disse...

E em boa hora o teu blog foi aberto, era uma pena poema maravilhosos com este ficarem sem os conhecermos...
As fotos da Paula dão-lhe aquele encanto também...
Jhs mil e Parabéns!!!!

Mena G disse...

E pronto! Mais uma que chegou aqui pela "mão" da Paula Raposo.
Parabéns pelo blogue, que isto de "sonetar" não é nada fácil!!!
Voltarei de certeza.

OrCa disse...

É assim... A autora sonha, a Paula empenha-se, a fama nasce!

Anda por aí uma esplêndida conjugação de palavras e imagens que tornam o empenhamento da Paula um verdadeiro serviço público, a bem do cidaddão, claro.

Beijos.

Liliana josué disse...

Olá Francília

Acrescento mais um comentário a tantos que este soneto já tem, e com toda a justiça.
É duma sensualidade maravilhosa (tipo Florbela Espanca)sentido e sofrido.
Muitos parabéns.
Um beijão.
Liliana Josué