quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Amar é um cântico à vida!

Quem ama não quer morrer,
Mas longa vida p'ra amar
O amor que lhe couber...

Quer da noite fazer dia,
Dias de luz verde e sol;
E se o vento mal bulia,
Corra a gritar espaço fora
Que amar é luz de farol,
Rompa a noite ou nasça a aurora!

Amar é rir e folgar,
Ser eternos namorados;
Dia-a-dia partilhar
Mágoas, agruras, pecados...

É cantar uma cantiga
E pôr longe o sofrimento;
Alhear-se da fadiga
Num abraço ternurento...

É ser cúmplice! Recado
Num breve e brejeiro olhar,
Que faz saber ao amado
A hora de ir deitar...

É saciar mil desejos
Em prazer sublimado;
E na volúpia de beijos
Tempo de amor não contado...

É entrega! E as almas calam
Maré vazante de um rio,
Que logo em caudal se embalam
Num turbilhão, desvario...

É querer que o mundo saiba
(mas na mão fechada caiba)
Segredos do seu amar;
É ser o fogo na mata,
Se alma-gémea o fogo acata,
No breu da noite o luar...

É água fresca da fonte
Que rasga a fraga no monte
E mata a sede a cantar!


Caxias, 27/12/08
Maria Francília Pinheiro

4 comentários:

Paula Raposo disse...

Que seria de nós perdidos, sem Amor?!!
Muito belo o teu poema, Francília. Beijinhos.

valvesta disse...

É querer que o mundo saiba...segredos do seu amar...se a alma-gemea...da noite o luar...amar amar um brinde ao amor e ao amado!!!
belisssimo!!!
um abraço.

valvesta disse...

QUERIDA FRANCÍLIA, HOJE DEI UMA OLHADA EM SUAS POESIAS, TE VI DE PERTO QUE PESSOA LINDA ÉS, VERDADEIRO CARVALHO,ÉS SIM UMA GUERREIRA VALQUIRIA. PARABÉNS
ESTOU A ESPERAR MAIS.
UM ABRAÇO COM CARINHO DE VALQUIRIA CALADO

Maria Francília Pinheiro disse...

Obrigada, Valvesta!
Quis o destino que eu fosse mesmo uma guerreira-valquíria, um pinheiro(ou carvalho)que, embora tisnado pelo fogo, permanecesse de pé nesta mata selvagem que é a vida.
Um abraço amigo
Maria Francília